Vistos para os Estados Unidos: como funcionam?

Tenho que começar este artigo dos vistos para os Estados Unidos com um aviso: não sou advogada, nem tenho experiência legal com assuntos relacionados a imigração (nem com qualquer outro tipo de assunto, diga-se de passagem).

Este post dá dicas e conteúdos que dizem respeito à minha experiência enquanto turista & enquanto pessoa que reside de forma legal nos Estados Unidos. Este post não substitui nenhum aconselhamento legal, sobretudo se tens interesse em vir trabalhar para os Estados Unidos.

O tema dos vistos para os Estados Unidos é um dos que levanta mais questões. Não é raro ouvirmos histórias e depoimentos de pessoas que tiveram que lidar com o sistema da famosa USCIS (United States Citizenship and Immigration Services).

Neste post vou-te dar algumas dicas se queres vir para os Estados Unidos e como é que o podes fazer.

É preciso autorização para os Estados Unidos?

Sim. Seja para turismo, seja para trabalhar, seja para o que for, é obrigatório ter uma autorização para entrar nos Estados Unidos. Mas nem todas as autorizações são iguais.

Comecemos pelo mais simples: queres vir para os Estados Unidos de férias ou para efeitos de turismo? Nesse caso, se tiveres passaporte português, não precisas de visto – mas precisas de uma autorização.

Portugal faz parte de um leque de países que tem o ESTA (Electronic System for Travel Authorization). O ESTA é a autorização de viagem emitida aos países que fazem parte do programa de isenção de visto americano (Visa Waiver Program). Ou seja, não precisas propriamente de um visto nem de ir à embaixada.

Para vires em turismo, apenas precisas de ter um passaporte válido para a totalidade da tua viagem, comprares os voos e fazeres o ESTA.

O ESTA é feito de forma totalmente online e permite-te ter uma autorização de viagem limitada a 90 dias consecutivos. O ESTA é, no entanto, válido durante três anos. Ou seja, nesses três anos podes vir várias vezes aos Estados Unidos, desde que nunca excedas os 90 dias seguidos.

Nesta página da Embaixada dos EUA em Lisboa tens todas as regras que deves cumprir para solicitar o ESTA: clica aqui.

E se quiser viver nos Estados Unidos?

Se quiseres experienciar o American Dream e ficar nos Estados Unidos a viver, trabalhar e/ou estudar, aqui sim… vais entrar no verdadeiro filme que é a jornada de vistos americanos!

Dependendo do teu objetivo, os vistos e processos são diferentes. Relembro a importância de, se quiseres dar esse passo, estares em contacto com um advogado especializado em imigração americana para teres todas as hipóteses do teu lado.

Os vistos de trabalho são diferentes dos vistos para estudar. Neste post vou só falar de alguns mais conhecidos, mas nesta página podes ver a diversidade de vistos dos Estados Unidos que existem.

Vistos para estudar nos Estados Unidos

Estudar nos Estados Unidos acaba por ser uma das formas mais fáceis para entrar e ficar no país.

Se queres vir estudar inglês durante algumas semanas, aconselho-te a passares por uma escola de língua.

O site LinguaTrip é excelente nesse aspeto, por te permitir pesquisares por escolas de línguas e alojamentos, e ainda te presta assistência no pedido de visto. Se o teu visto for recusado, todo o dinheiro que possas ter investido é-te devolvido.

Clica aqui para veres o LinguaTrip e começares a tua pesquisa por uma escola de inglês nos Estados Unidos.

Os vistos para os estudantes são os F e o M. Deves primeiro candidatar-te a uma escola ou universidade e, só depois de seres aprovado, é que irás iniciar o processo do visto, pois precisarás de documentos fornecidos pela escola.

Se quiseres vir para os Estados Unidos para estudar numa Universidade, aconselho-te a entrares com uma agência de consultoria especializada na vertente académica.

Se tens curiosidade em fazer uma formação superior ou uma certificação profissional numa Universidade da Califórnia, entra em contacto comigo através do site da BeBold, uma agência especializada em consultoria educacional com a qual eu colaboro.

Vistos nos Estados Unidos para Intercâmbio

Se quiseres vir fazer um intercâmbio nos Estados Unidos, primeiro deves encontrar o teu sponsor, ou seja, patrocinador.

O visto J é o visto de intercâmbio e permite que venhas trabalhar ou estudar integrado num programa escolar ou empresarial.

Muitos profissionais têm a oportunidade de ter o visto J para vir trabalhar temporariamente numa empresa e ganhar experiência.

Podes consultar nesta página todos os programas de intercâmbio disponíveis.

Vistos nos Estados Unidos para Trabalhar

Para trabalhares nos Estados Unidos, não há muitos segredos: precisas de ter uma empresa interessada em contratar-te e em patrocinar-te o visto.

Os vistos para trabalhar nos Estados Unidos variam consoante o tipo de trabalho que vais fazer. Eis alguns dos tipos:

  • H1-B: Pessoas numa Profissão Especializada
  • H2: Trabalhadores Sazonais
  • H3: Estagiários
  • P: Atletas, Artistas e entertainers reconhecidos internacionalmente
  • Entre muitas outras categorias que podes ver nesta página

Não me canso de repetir que quem quer trabalhar nos Estados Unidos deve ter um visto e uma empresa interessada – que é bem diferente do ESTA de turismo. Mas então… como encontrar trabalho que dê direito ao visto?

O H1-B: o visto de trabalho todo poderoso

O H1-B é um dos vistos de trabalho mais famosos – e também um dos mais desejados.

A administração do Estados unidos tem uma cota anual deste tipo de visto, que é aproximadamente de 65 mil (mais 20 mil adicionais para quem é titular de um curso superior de uma universidade americana). São sorteados numa loteria aproximadamente 65 mil “sortudos” que terão o seu dossier analisado para terem a oportunidade de ter este visto.

No entanto, é preciso preencher algumas condições para poder tentar ter o H1-B.

Primeiro, o futuro empregador é obrigado a patrocinar o pedido de visto. Por isso, é impossível iniciares o procedimento do H1-B sem teres, no mínimo, uma oferta de emprego. Ponto positivo: isso também faz com que seja a empresa a cobrir os custos de todo o processo de visto.

O H-1B é emitido para profissionais qualificados. Ou seja, é para quem uma profissão qualificada e associada a um grau de ensino que prove essa mesma expertise. É o visto ideal para engenheiros, advogados, contabilistas, enfermeiros, professores, economistas, profissionais de saúde, investigadores, etc.

Este visto não se aplica a estagiários. Se quiseres fazer um estágio durante a realização do teu curso, deves tentar ter o visto J1.

Quanto à empresa que patrocina o visto, deve também cumprir alguns requisitos como:

  • Terá que contratar o profissional para um trabalho especializado e para o qual tem as qualificações;
  • Deverá remunerar o profissional com base na remuneração dos EUA para essa posição.

Por ser um dos mais cobiçados, é também um dos vistos mais caros. Entre os custos do advogado e as taxas de todos os pedidos e processos, o visto ronda à volta dos $4500 para ser solicitado.

O H1-B tem uma duração de até três anos renovável, e é muito desejado porque permite:

  • Ao portador do visto de levar a sua família direta (companheiro/a e filhos);
  • Mudar de empresa, solicitando a transferência do visto;
  • Pedir o Green Card.

E aqui chegamos ao visto mais desejado por quem quer viver nos Estados Unidos…

E o Green Card?

O Green Card é um visto cobiçado por milhões de estrangeiros todos os anos. Os Estados Unidos concedem 55 mil green cards todos os anos.

O famoso green card é, no fundo, uma autorização de residência permanente. É um documento que dá o direito de residir permanentemente nos Estados Unidos.

Oferece ao seu beneficiário todos os privilégios de um cidadão americano. No fundo, permite viver em todos os sentidos da palavra… dá:

  • direito a estudar;
  • direito a trabalhar;
  • direito a fazer mudanças para outro estado;
  • direito a entrar e sair do território e das fronteiras dos EUA como e quando bem te apetecer;
  • direto a reformares-te e viveres para sempre nos Estados Unidos.

Contudo, o Green Card não dá o direito de voto nas eleições nacionais Estados Unidos, apenas para as eleições locais.

Se não tiveres o H1-B, que abre as portas automaticamente para a possibilidade do pedido do Green Card, podes tentar tê-lo através:

  • de casamento com alguém que tem nacionalidade americana ou que tem um Green Card;
  • de laços familiares diretos;
  • por investimento (investimentos entre os 500 mil e um milhão de dólares);
  • da loteria.

Desde 1994 que os Estados Unidos organizam o famoso Diversity Visa Lottery Program, para permitir que todos tenham acesso ao Green Card de forma mais fácil. Esta lotaria atrai mais de 13 milhões de participantes por ano e permite que 50 mil deles beneficiem do Green Card.

Conclusão

Se tens mesmo a ambição de vir trabalhar ou estudar nos Estados Unidos, espero que te tenha ajudo a perceber um pouco mais de como funciona o sistema de imigração dos Estados Unidos.

O site da Embaixada dos Estados Unidos em Lisboa é muito útil e está muito bem documentado.

Se quiseres apenas fazer turismo e visitar o país, ficaste a saber que não é necessário teres um visto – espero que isto te motive a vires descobrir este país fantástico!

Se tiveres alguma pergunta, deixa nos comentários.